Chuva fina



Pouco me importa a chuva fina, se tenho nos braços a ti menina! Pouco me importa que vente frio, navego as cegas por teus rios. Bebo da água mais pura, teus lábios! 
Ah eu viajo em abraços e nessas horas...

Não me importam os raios! 
Pois nada brilha como teus olhos!
 Nada me fascina mais que você!
 Meu toque em sua pele fria, o calor do seu corpo esquentando aos poucos o meu! 
Nosso silencio, ecoando pela rua. 
E aos ouvidos atentos dá pra ouvir cada gota de chuva tocar o chão! 
E as que caem fazendo carinho em teu rosto. 
Eu vou provando do teu gosto! 
As lembranças que trazemos de outras noites como essa! 
Ousei dizer que a lua sentia inveja de nós! 
A chuva, no abraçava cuidadosamente e protegia do mundo voraz. Pouco me importa que o dia seja frio, pois você me esquenta! 
E se for quente demais, você vai regar minha alma com teus sorrisos maravilhosos! 
Teus abraços surpreendentes. 
Teus beijos que me convidam ao delírio de sonhar acordado! 
Eu aqui, molhado de chuva, abraçado à você. 
Vou lutando comigo mesmo, pois é chegada a hora. 
O fim do dia! Amanhã eu retorno...
 E pouco me importa se o mundo irá acabar!
 Vou te ver de qualquer maneira! 
Mesmo que seja em minha mente, nos meus sonhos... 
Ou um reflexo nas estrelas. 
A chuva não passa, cada gota me lembra você! 
Cada gota é um pedaço do meu amor... 
E esse dilúvio eu dedico a você.


Por Luiz carlos, Frog.

andei meio sumido... estive ocupado.

texto registrado. 

  Um comentário:

  1. Pessoas apaixonadas ficam num estado um tanto engraçado. O sentimento faz bem às palavras e de alguma forma as torna puras.
    É impressionante como palavras tão simples, sem floreio, sem o trabalho ( que se vê por aí com os tais " grandes autores "),podem fazer com com que reflitamos tanto.
    Meus parabéns: ao autor,à musa e a chuva!

    ResponderExcluir

Seguidores