Incertezas


Despedaçado, como um cometa que se choca com a atmosfera.
Maldita espera! Quanta incerteza!
Há quanto tempo eu quisera ser feliz, quem me dera ter por um segundo...
Ao meu alcance o que eu mais quis!
Lembraria nas tardes vazias dos teus olhos em meio a nevoa.
E dos teus beijos.
Eu não queria ter a lembrança de um beijo em baixo da chuva...
Um abraço, ou algo mais... Ali naquela curva.
Não queria ter perdido o rumo.
Saído do prumo.
Mas queria estar por um segundo...
Dentro dos teus planos!
Mas quantos planos eu já fiz!
Quantas vezes eu não quis, ser mais do que eu queria ser.
E ter você, mais nada... Só você aqui.
Disposta a ser amada. A me fazer sorrir.
Eu pedi demais...
Eu esperei demais! Agora busco em mim a organização dos sonhos, e o fim das esperanças.
A ruptura das lembranças. E quem sabe uma maneira de organizar meus sentimentos.
Sem muitos pensamentos de como tudo poderia ter sido...
Mas sabendo que tudo um dia poderá ser...
Sem saber quando...
Nem até onde eu vou agüentar.
Dormir hoje esperando por um amanhã melhor...
Do qual não tenho certeza se um dia vai chegar!

~
Incerteza maldita, que só me traz mais e mais... tristeza.

Por: Luiz Carlos, Frog.
textos registrados.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores