Navio...

Daqui não dá pra ver muita coisa além da proa do barco à alguns palmos na minha frente.
Nessa nevoa que invade minha mente, não dá pra imaginar muitos destinos
Além daquele que me leva até você, e que tem seu sorriso como farol.
Além desse barco à deriva, minha vida não deriva de muitas escolhas que fiz.
Mas de tudo que eu não quis tudo que eu não sou.
No timão, batidas ritmadas que pulsam em meu peito, veias e artérias ligadas no bater de um coração.
O chão que há muito não é limpo, acumula restos de mapas contendo todas as possíveis trajetórias que passei.
Fotos de pessoas que se perderam no caminho.
Coisas que eu deixei pra traz.
As águas me carregam em qualquer direção, há tempos... São tempos de paz!
E pra mim um velho Pirata nada mais resta.
A não ser o que não presta.
E isso não ei de querer mais.
Velejo no meu barco sombrio com apenas mais 3 tripulantes.
E com eles sigo a diante.
Levando todos os sonhos a todos os sonhadores.
Somos piratas! Pilhamos lembranças e histórias que não são nossas! E simplesmente a escondemos Para aquele que melhor pagar!
Passo meus dias esperando que um dia haja aonde chegar!
Um rumo, uma rota pra navegar.
Um sorriso pra nos guiar!
A luz do farol, ou quem sabe o sol...
Pra essa maldita nevoa dissipar!
Até lá, sigo as cegas seguindo as minhas regras...
E tendo como bússola o coração sonhador de um músico.
Poeta que não conhece o amor.

-Por Luiz Carlos, Frog.-
Texto registrado.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores