E eu me sento no mesmo banco...
As palavras saltam em direção à folha de papel,
Eu marco com a caneta palavras que talvez não tenham sentido algum.
Mais palavras sem nexo rodam em minha cabeça...
Palavras envoltas nessa áurea perfumada.
Começarei a falar sobre “ela”
Ainda que eu não saiba com quem estou falando...
Abrando as palavras, pois há alguém por perto.
Vislumbro um rosto que me faz respirar mais fundo.
Os batimentos aceleram aos poucos estou preso em teias, teias negras e longas que recobrem teu corpo teias que são seus cabelos macios.
E quando então me livro delas deslizo pelo seu pescoço até chegar em seus ombros...
Alimentar-me-ei dos teus olhos...
Respirarei teu perfume...
Adormecerei em teus braços...
E mesmo sem saber onde sua mente está.
Prefiro não acordar, é a solução pra não a perder.
Esperando que eu possa me encontrar.
Brincarei com teus lábios, me afogado em seus beijos. Vou me perdendo ao te encontrar...
E permanecerei ali...
Em cada milímetro...
A cada suspirar.
Ela continua seu caminho e eu retorno ao papel.
As palavras se esvaem aos poucos, mas seu perfume permanece,
Ela me enlouquece sem saber!
Que estou cada vez mais preso em teu ser...
Por: Luiz Carlos Dos S gonçalves.
(todos os textos são registrados)

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores