E lá estava Max, dando o ultimo adeus aquele que talvez lhe tenha sido mais que um amigo.

Era estranho, porém ver aquele homem de 40 ou 50 anos, sentar-se ao lado de um jovem de 20... No entanto suas posturas eram facilmente comparadas... E por vezes confundidos.
Apesar das marcas inigualáveis daquele homenzinho que agora se encontrava dentro do caixão.
Max secou com rapidez as lagrimas que rolavam de seu rosto, e então ele relembrou da ultima visita que fizera a seu amigo.
A lareira tipicamente inglesa por detrás da longa cadeira de couro que era ocupado por aquele homem, que se sentava de forma meticulosa exatamente no meio daquela poltrona, sofisticada, porém um tanto quadrada e inflexível. Com seus olhos miúdos por detrás daqueles óculos de lentes arredondadas que só não chamavam mais atenção do seu belo bigode que mesclava classe, majestade e sofisticação.como sempre ele observava os cabelos de Max que pareciam não crescer e no então não aparentava terem sido cortados. Era como se nos últimos anos ele estivesse permanecido estável... No mesmo tamanho e formato.

Mas como sempre questionava sobre suas técnicas de investigação, e de certa forma tentava usar da sabedoria de seu amigo, para fazer com que a sua sabedoria fosse aumentada.

-os anos passam e você parece não envelhecer mais meu amigo!

-já estou velho Max, é natural que em algum instante passemos a não parecer tão velhos quanto somos!

- não está velho, e pare com este papo de aposentadoria... O mundo não seria o mesmo sem você! Sua genialidade torna a trazer prazer aos investigadores, todos os jovens da minha idade desejam ser como você!

-menos exageros e mais ações Max é só isso que lhe dou como conselho... e quanto ao mundo, não sentiram tanta falta assim!.. Eles terão a você! Como um dia tiveram Sherlock e como hoje têm a mim!

- mas e então o que tem a dizer sobre este caso? Não havia ninguém na casa, até a hora em que os policias entraram na casa, o Dr. Sprout jamais se mataria de tal forma, suicídio não é algo que faça o gênero dele, Dr. Sprout era mais CARPE DIEM.A poça d’água em baixo do corpo enforcado e o fato da casa ter sido trancada por dentro é o que mais me deixa confuso...

- sua dedução foi quase perfeita Max, o Dr Spout realmente foi assassinado, a poça d’agua tem relação direta com a forma de assassinato, frio e cruel... sprout provavelmente teve seu pescoço amarrado a corda e corpo devidamente posicionado sobre um cubo de gelo, que ao derreter enforcou o jovem médico.

- a casa trancada por dentro sem sinais de arrombamento. E não haviam ninguém além do homens da policia lá dentro...como se explicaria isso?

- simples e objetivo caro Max, o assassino trancou a casa e esperou que a policia chegasse, escondeu-se até que então ele pudesse fugir da casa passando-se por um inspetor de policia, ficando assim livre das punições...

Sua mente retornou àquele frio cemitério, e enquanto mais lágrimas involuntárias caíam de seus olhos... e como se desculpasse com velho amigo sussurrou:

-Se alguma vez errou, foi no dia em que me disse que o mundo seria o mesmo sem você! Sem a sua genialidade... Vá com Deus Hercule Poirot.

~
Dedicado à uma grande escritora, e este que talvez tenha sido o maior e mais importante detetive de todos os livros - Agatha Christie e Hercule poirot.
depois de uns 4/5 anos eu retornei a ler essa "série" pra lá de classica... e então agora que eu ja to terminando de ler o livro, decidi criar um texto à "nosso" grande herói!...e aí está.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores