Últimos Posts

Sentimentos

Não me lembro ao certo quando passei a sentir.
Mas sei que com o tempo, tornou-se pra mim tão natural quanto pensar.
E as questões científicas e filosóficas se tornaram obsoletas perante as duvidas que meu coração colocava no caminho.
Não sei ao certo quando comecei a sentir.
Mas lembro que sempre estive sozinho.
A felicidade nunca me foi duradoura.
Roubaram me sonhos, ou as vezes eu entregava os meus de mãos beijada.
Não sei ao certo mais nada.
Deixou de ser racional.
E por isso não me cabe mais.
Não me serve. Não me sinto.
As vezes eu minto fingindo não sentir.
Pra talvez trazer de volta à racionalidade.
Trazer me a paz e a vontade.
Vontade de ser feliz.
Ou de fazer a felicidade em capsulas
Pra quem a perde nas esquinas da vida como eu.
Talvez eu não tenha sido feito pra ser feliz.
Mas pra dar felicidade a quem precisa...
E como uma brisa leve que passa.
Quando sou eu que preciso, perde a graça.
E a felicidade se vai.
Não sei quando comecei a sentir.
Mas gostaria de voltar naquele instante.
E não deixá-lo partir.
Pois o mesmo amor que me deu felicidade.
Trouxe dores que jamais cessam e pensamentos que me torturam a cada instante.
Preferia ser um cientista cético.
À um poeta romântico.
Mas não nem sei bem quando...
Eu comecei a sentir!
De lá pra frente foram só sentimentos.

Olhares

Se olhares falassem aos ouvidos
Os teus cantariam uma doce melodia no dia em que os vi a primeira vez.
Um rock pesado e descompensado no dia em que me conheceu.
A valsa doce e suave no dia que enfim aconteceu.
Mas se teus olhos dissessem tudo o que dizem em palavras, eu calaria pra te ouvir recitar poesia.
Você finge que engana, mas teu olhar desencana fala a verdade sem regalias.
Se você soubesse o quanto dizem sobre ti.
E os efeitos que tem sobre mim!
Se soubesse que eles me engolem por completo
E um pequeno brilho, por mais incerto que seja.
Faz qualquer tristeza chegar ao fim...
Se meus olhos dissessem aos teus o que meu coração me diz!
Sorriria mais com os olhos... E olharia mais o mundo, com esse teu olhar Feliz.
Olhar que  me enche de vida, me faz poesia, fantasia.
Me faz bem assim.
Teu olhos que dizem "te amo"
Em silêncio, sorriram pra mim.

Inferno.

Jurei que não viria aqui.
Prometi não mergulhar
Não me afundar.
Jurei mudar, virar humano.
Rasgar o pano e tentar
Outra vez cai sobre mim a praga do anjo.
E como um cai do renegado sou jogado ao inferno
Aquele que habita meu interior, que incinera minha mente.
Me congela completamente.
Volto a ser um corpo sem alma.
Sem paz sem calma.
Uma carcaça vazia que habita pensamentos nebulosos
Se o alto QI me fizesse capaz de imaginar pra mim
Meios científicos de sintetizar a felicidade e toma-la ao goles.
Me afogaria na esperança louco de silenciar a dor
Ou construir uma fantasia boa que me leve a qualquer lugar.
Um coma inconsciente que me fizesse vegetar ao longo do trajeto.
Já que me falta coragem de acionar a saída de emergência... deixo quieto aqui meus pulsos pra horas de extrema dor.
Não a dor que acalme.
Não há nada que me pare.
Eu estou no inferno outra vez.
Sinto o fogo arder sobre a carne.
O caos invadir a mente.
De repente.
Seja melhor ficar sozinho aqui.
Quem sabe um dia apareça ajuda?!
Ou eu consiga a coragem pra desistir!
Por hora marco os locais de corte com linhas tracejadas.
Já deixo a trajetória marcada.
Basta o inferno se tornar insuportável.
Ou a dor me mostrar um caminho viável.
Não há inferno pra quem se mata no inferno.
O ciclo continua, a dor não termina.
Até ai... nada mudou.

-frog

Sobre fazer feliz

Não é sobre corações partidos os sobre infinitos devaneios tolos que escrevo
Não é sobre o amor que devo, mas sim sobre o que me sobra!
A felicidade que dobra! E faz mais sentido quando estou contigo.
É sobre amor além da curva, sobre respeito.
Sobre coração batendo forte no peito.
É sobre reciprocidade, sentir saudade e dizer oi!
É sobre ver você aonde nada existe, sobre residir onde o sol se pôs e depois ser pra você algo além.
É sobre cantar debaixo de chuva
Pegar sol, correr na rua
Deitar de baixo de tua natureza completamente nua.
É sobre todos os versos, e os inversos de nós.
É sobre acordar todos os dias e querer ouvir sua voz.
Encantar-me com tua alegria.
Ver teus olhos colorir meu dia.
E ser tudo o que eu sempre quis...
É sobre fazer você feliz.

Poesia

Há olhares sobre os traços marcados
Há marcas nos lábios selados
Há zelo em um silêncio velado
Palavras do tempo guardado.
Há luz e beleza na tua natureza
Há essência e indecência em teu sorrir
Há em mim poesia viva
Que se anima ao saber de ti.
Há quem diga que eu sou Velho louco
E há loucura em não mais permitir
Há saudade é verdade há fogo!
E medo que o mundo me tire de ti.
Há beleza sutil no dia-a-dia
Alegria me dá teu sorrir.
Eu sou sobreo em minha sabedoria...
Embriago-me ao pensar em ti.
Eu sou mais que um poeta abusado.
Sou presente futuro e passado
Um amante do tempo amado,
Admirador do olhos vidrados.
Dos sorrisos que tiram o fôlego
Que me nego esquecer
E acreditar existir...
Há beleza demais nesses traços
Nos abraços, nos beijos e em ti.
Há beleza nessa tal poesia...
Quem diria, escrita por ti!

-Frog!

Seguidores